Professores de Mato Grosso mantêm greve, mesmo com ilegalidade


Ao declarar movimento ilegal, Justiça definiu multa diária de R$ 50 mil; sindicato diz que paga

 

Em assembleia-geral, no Presidente Médici, professores protestam e mantêm a greve geral

 

Os professores da rede estadual de ensino decidiram continuar com a greve, em assembleia-geral realizada nesta segunda-feira (27), no Colégio Presidente Médici. A paralisação foi iniciada no dia 6 passado e no dia 21 teve declarada sua ilegalidade, por meio de ação movida pela Procuradoria Geral de Mato Grosso (PGE-MT).

 

Conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino P√ļblico de Mato Grosso  (Sintep), Gilmar Soares Ferreira, mesmo com a a√ß√£o, a greve continua  enquanto n√£o houver, ao menos, uma negocia√ß√£o intermedi√°ria entre a categoria e o Governo do Estado.

 

A principal reivindicação dos professores um aumento imediato do piso salarial para R$ 1.312. Segundo Gilmar, enquanto a categoria quer ainda para este semestre o reajuste, o Governo do Estado sinalizou para um aumento apenas em dezembro.

 

"A greve continua até o Governo apresentar, no mínimo, uma proposta intermediária, um meio-termo, entre o que queremos e o que eles querem.

 

Enquanto isso, vamos continuar acampados e com nossa luta sem trégua", afirmou o sindicalista.

 

Como penalidade pela continuidade da greve, o sindicato da categoria deve pagar um multa di√°ria de at√© R$ 50 mil. A respeito da puni√ß√£o, Gilmar disse que tanto ilegalidades como suas penas nunca foram motivos para t√©rmino de outras paralisa√ß√Ķes.

 

"Uma ilegalidade nunca foi impedimento e não será agora. Em outras vezes, jápassamos por isso e nós nunca pagamos multa. Se essa for a primeira vez, pagaremos, mas não vamos aceitar da forma que estamos sendo levados", disse.

 

O sindicalista ainda destacou que o acampamento na Pra√ßa Ulisses Guimar√£es, na Avenida do CPA, permanece e que, a partir de hoje. outras manifesta√ß√Ķes, passeatas e panfletagens devem ocorrer diariamente.

 

Reivindica√ß√Ķes da categoria

 

Al√©m do aumento imediato do piso salarial para R$ 1.312, o Sindicato dos Trabalhadores no Ensino P√ļblico de Mato Grosso pede a convoca√ß√£o dos aprovados ou classificados no √ļltimo concurso p√ļblico, tamb√©m de forma imediata. Outra cobran√ßa √© que um novo concurso p√ļblico seja realizado.

 

De acordo com o Sintep, atualmente, a rede possui entre 11 e 12 mil professores e, para o ensino funcionar de forma eficaz, seriam necess√°rios pelo menos 17 mil profissionais.

 

Conforme o presidente do Sintep, Gilmar Soares Ferreira, com a convocação dos concursados. seriam mais 1,5 mil professores e ainda mil profissionais para o apoio técnico das escolas.

 

Com o movimento de paralisação, mais de 445 mil alunos estão sendo prejudicados.

 

Fonte: MidiaNews