Intensifica√ß√£o do trabalho pode prejudicar sa√ļde do professor


A `Sa√ļde do Professor` foi tema de palestra realizada pelo Sinpro Campinas no dia 27, dentro da programa√ß√£o do M√™s do Professor, por ser considerada uma categoria vulner√°vel a problemas ocasionados pela sobrecarga de trabalho e exposi√ß√£o a fatores de estresse que os professores t√™m sofrido em resposta √† intensifica√ß√£o do trabalho.  

A fonoaudi√≥loga Isabella Bonzi, com especializa√ß√£o no Centro de Estudos da Voz de S√£o Paulo, falou da import√Ęncia da voz para o professor e dos cuidados necess√°rios para mant√™-la saud√°vel. 

Uma respira√ß√£o adequada, entona√ß√£o, hidrata√ß√£o constante, alimenta√ß√£o balanceada e a qualidade do sono, segundo a especialista, s√£o fatores que devem ser considerados, para que o professor n√£o sinta cansa√ßo depois de um dia inteiro de aulas, tendo que falar para classes lotadas e com alunos barulhentos. De acordo com a fonoaudi√≥loga, uma pesquisa realizada com professores da rede p√ļblica de S√£o Paulo revelou que 63% dos entrevistados apresentavam queixa de voz. 

"A voz √© o instrumento de trabalho do professor e por isso deve ser bem cuidada. A gente sabe que nem sempre a sala de aula tem a ac√ļstica adequada. Por isso √© importante falar voltado para o aluno, circular pela sala de aula. Tomar goles de √°gua ao longo do dia inteiro", recomenda Isabella Bonzi. 

A especialista diz que √© importante permanecer alerta e ap√≥s 15 dias de altera√ß√£o vocal procurar um otorrinolaringologista e um fonoaudi√≥logo, para ver se h√° algum problema mais grave. 

Uma dica √© assistir o v√≠deo Minha Voz, Minha Vida, dispon√≠vel no You Tube e que conta a hist√≥ria de dois professores, um que cuida da sa√ļde da voz e outro que comete todos os erros que podem levar a les√Ķes graves. 

Estresse

O encontro foi coordenado pela m√©dica e professora da Unicamp Maria C√Ęndida Ribeiro Parisi, especialista em Sa√ļde P√ļblica e Diabetes pelo Instituto Nacional de Endocrinologia - Havana/Cuba. A especialista questionou √† plat√©ia quantos exerciam a profiss√£o h√° mais de 15 anos, e 80% das pessoas ergueram a m√£o. Ent√£o, a professora falou das mudan√ßas que a profiss√£o sofreu ao longo dos √ļltimos 20 anos com a moderniza√ß√£o e a chegada das novas tecnologias. 

"Fora todas as mudan√ßas que ocorreram ao longo dos anos essa √© uma profiss√£o que em v√°rios momentos tem muito estresse. Mas uma coisa pontual na carreira do professor s√£o os ciclos de estresse sempre no final do 1¬ļ e do 3¬ļ trimestre, per√≠odos em que o volume de trabalho aumenta, se acumulam os trabalhos e provas", avaliou. 

Segundo Maria C√Ęndida, um dos problemas que mais afeta os professores hoje, s√£o os chamados transtornos mentais e comportamentais. A afirma√ß√£o se baseia em uma pesquisa feita em Belo Horizonte com os professores, e que apresentou como maior √≠ndice de afastamento os quadros de estresse e depress√£o, seguido dos problemas do sistema osteomuscular.

"Na maioria dos quadros depressivos aparece primeiro a altera√ß√£o do humor e do sono. √Č preciso procurar ajuda o quanto antes, porque evita uma progress√£o para algo mais grave. Uma das minhas inten√ß√Ķes com essa conversa √© acender o sinal para que voc√™s permane√ßam atentos e procurem logo tratamento e ajuda. √Č preciso que a gente se olhe mais, se perceba e se sinta", advertiu a m√©dica e professora da Unicamp. 

Outro problema muito comum √† categoria √© a s√≠ndrome de Burnout (no ingl√™s significa queimar, pifar). Ela se manifesta por um quadro de exaust√£o emocional, despersonaliza√ß√£o, falta de envolvimento pessoal no trabalho. 

Todas essas s√£o doen√ßas dos Tempos Modernos, diz Maria C√Ęndida. Hoje as pessoas, deixaram de se movimentar. O professor est√° sobrecarregado e sempre com pressa. Come correndo, nas f√©rias n√£o tira f√©rias. √Č preciso criar pausas durante o dia - e todos os dias - e reduzir o tempo das atividades negativas. 

"A gente precisa se reapoderar dos nossos direitos. As f√©rias t√™m que ser usadas para recarregar as baterias. Usar o hor√°rio de dormir para dormir, o de comer, para comer. Ter que ter tempo durante o dia para relaxar, fazer o que gosta, mesmo que seja assistir novela", defende. 

Para a m√©dica √© preciso controlar as atividades negativas para evitar entrar num moto-cont√≠nuo. √Č preciso limitar o tempo para ler e responder e-mails. Se o professor ou professora come√ßar a perceber algum transtorno ou dano, deve correr e procurar um m√©dico. 

Outra dica importante √© tirar 30 minutos por dia para uma caminhada, pois isso funciona bem para evitar problemas cardiovasculares. Tem que saber dizer n√£o para os outros e para coisas. A m√©dica acha mais importante se preocupar com o quanto vai comer e n√£o com o que vai comer. "Comer fruta e fibras √© bom, mas n√£o pode ser s√≥ isso. D√° pra comer um torresmo sem exagerar. Comer devagar mastigando 15 vezes cada garfada", explica. 

Para Maria C√Ęndida, as atividades com o encontro para debater a sa√ļde, as reuni√Ķes do sindicato, a troca de experi√™ncias, a atua√ß√£o enquanto categoria junto √† escola fazem toda a diferen√ßa para que o professor se mantenha saud√°vel e n√£o se sinta sozinho nem pressionado. "Ser professor √© bom demais, a paix√£o pelo ensinar faz parte do dia a dia, a coisa gostosa de lidar com o aluno, isso n√£o pode ser massificado", diz. 

Fonte: Sinpro Campinas