Servidores municipais fazem greve em São Miguel do Iguaçu


Servidores p√ļblicos municipais de S√£o Miguel do Igua√ßu, no oeste do Paran√°, paralisaram as atividades por tempo indeterminado, nesta sexta-feira (15). Cerca de 100 servidores ocuparam a frente da prefeitura da cidade, com faixas, durante a manh√£.
Apenas servi√ßos essenciais, como creches e Unidades B√°sicas de Sa√ļde (UBS) est√£o atendendo normalmente. Nas escolas municipais n√£o tem aula, somente o setor administrativo est√° funcionado. Na prefeitura, alguns servidores aderiram √† paralisa√ß√£o e o atendimento √© parcial.
Os servidores pedem aumento de R$ 100,00 no vale alimenta√ß√£o e reajuste salarial de 20% para quem recebe um sal√°rio m√≠nimo. ¬ďS√£o cinco anos que o servidor est√° recebendo R$ 10,00 de vale alimenta√ß√£o¬Ē, afirmou Rosnete Maria Hubler, Presidente do Sindicato dos Servidores P√ļblicos. O assessor Administrativo, Valdecir Lago reconheceu que o valor do vale √© baixo. ¬ďAt√© entrou em pauta a extin√ß√£o desse valor, porque realmente chega a ser humilhante¬Ē, disse.
Os guardas municipais também aderiram à paralisação. Eles pedem que a escala de trabalho volte a ser de 12 por 36 horas. Atualmente eles trabalham seis horas todos os dias.
Na segunda-feira (11), durante assembleia, os servidores entregaram a prefeitura uma lista com 27 reivindica√ß√Ķes, mas nenhuma foi atendida. Eles haviam dado o prazo de 72 horas para o munic√≠pio apresentar uma contra proposta, como n√£o tiveram um resposta, decidiram pela paralisa√ß√£o, segundo Rosnete.
O munic√≠pio diz que est√° aberto a negocia√ß√Ķes e que considera a paralisa√ß√£o irregular. ¬ďN√≥s n√£o tivemos outra alternativa sen√£o entrar judicialmente contra a paralisa√ß√£o para resguardar os cidad√£os de S√£o Miguel¬Ē, afirmou Lago.
Fonte: g1.globo.com/pr